quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Distante desejo

Porque te quero, se ter-te é sonho,
Utopia que meu corpo clama
Incessante pela tua chama,
E que ao coração faz enganar,
Nas noites frias ao luar,
O próprio corpo a te procurar?

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Sangue e lágrimas

A loucura é um mar revolto
De sentimentos soltos,
Em que a lágrima se faz exposta
E a dor é inquietamente imposta!
É o silêncio, que aflitamente implora
Um grito que minha alma chora!...

domingo, 26 de setembro de 2010

Um poema tricolor (ao Fluminense Football Club)

Com a bola leva-se um destino,
Que pela esperança é carregado!
É o amor que faz à rede tocar
A paz que corre pelo gramado!


Corações gritam na platéia
A concretização de um gol!
A cada jogo, uma odisséia!
Mais que esporte, um show!
Orgulho de ser tricolor!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Submundo

É nas ruas desertas
Que o luar abriga
As almas incertas!

Sombras discretas?
Solidão pela esquina
Da carne inquieta...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

A Gente

Um povo que luta com os pés descalços
E a fé em superar quaisquer percalços,
Expostos na alma da gente guerreira
Que na luta diária levanta a bandeira
De seguir em frente e encarar a rotina
E, em meio à guerra, buscar a vida...

Dói...

Das rosas, escolhi espinhos
Pois da dor é a realidade
Neste íngreme caminho
Por onde passa a saudade...

domingo, 12 de setembro de 2010

Samba - a oração do povo!

O samba tocado no morro
Não tem o volume de tempos atrás
Da época que cantava o povo
Como oração de luta e de paz

Mas ainda canta apaixonado,
O povo que desce e sobe cansado,
Vivendo no diário sacrifício
D’um ingrato e qualquer ofício

Chega, porém, o fim de semana!
No samba, é o povo que clama!
Entre dores e direitos ausentes,
Sua voz grita com liberdade,
Na sagrada poesia da realidade!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Caminho perdido

Perco-me em distantes pensamentos...
Nos trilhos já dispersos pelo vento,
Caminho à procura de algum momento,
Qualquer concretização do sentimento
Que faça acabar com o infindo lamento
Desses dias vazios e incompartilháveis...