sexta-feira, 27 de maio de 2011

Lágrima (haicai)

O sentir que implora
Aflora-se como chaga
À dor de quem chora...

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Versos engasgados!

Já não vejo graça no mais sincero dos sorrisos,
Pois nos olhares mais ingênuos há sempre a dor dos aflitos...
Suporto-me diante de tantas máscaras,
Pois ser ou não ser não é mais uma questão...
Resta apenas fingir que está tudo bem lá fora,
Enquanto minha alma, intacta e calada, chora...

terça-feira, 10 de maio de 2011

Pesadelo (trova)

De um sonho já sofrido
Pelo sono de quem dorme,
Ergue um sentir aflito!
Em vida, teme ser morte...

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Um sonho impossível...

Avisto-me na paisagem!

Na audácia de um sentir completo,
Uma maré de intensas sensações
Vem despejar desejos onde não piso...

Percebo então que acordo, aflito,
Lamentando a vida que vem à tona...
A maré já não me faz flutuar,
Traindo a paz de me enganar...

domingo, 1 de maio de 2011

Soldado

Lá vai o escravo de si mesmo
Pelos campos da guerra sem fim...
Marcha entre a vida e a morte,
Em busca de um ideal: seu fim!
Glorificação ingrata que não viu
Os estragos causados por um vulgo heroísmo,
Que com fervor se transformou em egoísmo.