sábado, 26 de novembro de 2011

Silêncio (haicais)

Sentir-se ausente,
Lutando contra o tempo
No correr da calma...

Faz-se a prisão
Num coração já fechado
Por gritos calados.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O ato

É arte o ato de sorrir!
Driblar a vida com a garra
Dos que têm de existir,
Num gesto revolucionário,
Sem jamais deixar-se cair
À tentação esnobe da dor
Em dias pesados a surgir
Na vida de um trabalhador.

sábado, 5 de novembro de 2011

Luz (trova)

Se memórias eu deixar
Na alma d'um novo ser,
Serei luz no caminhar
De um grão a florescer.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Noites em claro

Vago no silêncio de noites em claro,
A sussurrar, calado,
A minha dor...

Engano ilusões que brotam,
Como flor, em meu peito
Marcado por tanto amar...